“Eu não preciso do feminismo!”: com muita classe e simplicidade, Jout Jout Prazer explica por que comentários desse tipo não fazem sentido.

Posts Relacionados